Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2017

Especulações vocabulares (2ª série) (7)

(Significado corrente, mas também exploratório das palavras)

 

GGGG

 

Geração

 

Conjunto de pessoas que têm aproximadamente a mesma idade. Plural: gerações.

Entre elas, como se sabe, há por vezes conflitos insanáveis: valores e modos de estar na vida diferentes que levam a confrontos graves, ainda que nem sempre por coisas importantes. Pais e filhos que discordam sobre isto ou sobre aquilo, ambos reclamando o direito de ter razão. Os mais velhos seguros de que os mais novos «são uns sonhadores e uns irresponsáveis», «não sabem o que é a vida», «facilitam de mais», «fazem tudo aquilo que não devem» — rematando invariavelmente que no seu tempo, quando eram jovens igualmente, «havia respeito e obedecia-se». A lengalenga do costume… Que nunca foi nem será alguma vez capaz de convencer alguém. Foi assim até hoje, como será certamente no futuro.

  

Gordo

 

O que tem gordura a mais, pelo que é volumoso de corpo.

Quer do ponto de vista estético, quer no que respeita à saúde, é atributo que convém evitar. Uma grande parte da indústria de produtos ditos «de beleza» dedica-se a fabricar cremes e outros fármacos capazes de eliminar ou reduzir essa adiposidade. Para o mesmo fim, anunciam-se quase todos os dias regimes dietéticos, mais ou menos custosos de suportar, que custam um dinheirão, mas não levam aos efeitos esperados. Quem os põe no mercado e lhes assegura a eficácia nas bulas de propaganda, esses sim, com a sua venda, têm lucro garantido.

 

Gosto

 

Sabor atribuído a um alimento.

Mas pode ser também a preferência manifestada por alguém em relação a algo. No primeiro caso, toda a gente é unânime em concluir que isto é insosso ou salgado, doce ou amargo; no segundo, essa concordância pode não ser igualmente aceite. Lembre-se aqui que o povo diz que «quem o feio ama bonito lhe parece». Ou seja, quando se trata de apreciar fulano (ou fulana), não são as papilas da língua, mas o coração que avalia. E se este se alvoroça, se agita, se desassossega ao dar pela presença de uma pessoa, isso sim, «é que é gostar», como o Francisco José recordava numa canção composta pelo Alves Coelho Filho.

  

Grisalho

 

Quem tem já o cabelo parcialmente branco.

Uma frase rebuscada para dizer que alguém é velho. Pelo menos, que começa a envelhecer. É verdade que um fado (daqueles castiços, muito em voga noutros tempos) observava que «cabelo branco pode não ser da idade, mas dos desgostos da vida». Tinha razão certamente, porque perder um filho, uma mãe, uma esposa, é tão doloroso que deixa marcas no corpo: não apenas nas têmporas, mas também sobre o rosto, abrindo aí rugas profundas, como sulcos. Quem não teve já a oportunidade de confirmar isso num parente ou amigo vítima de tal provação? Ou talvez até em si próprio?

 

Greve

 

Direito reconhecido nos países democráticos a que os trabalhadores recorrem para melhorar, quer os salários, quer as condições laborais.

É uma manifestação de confronto entre duas entidades com interesses antagónicos: a patronal e a operária. Uma tentando fazer tudo para auferir lucros cada vez maiores, a outra lutando continuamente, nem sempre com a eficácia desejada, para não ser explorada pela ganância dos proprietários dos meios de produção. Um conflito que começou a subir de tom com a Revolução Industrial e que veio para ficar. Atores importantes nesta questão são os Sindicatos— mas os autênticos, não aqueles de faz-de-conta, que existiam no Portugal de António de Oliveira Salazar.

  

Guerra

 

Conflito armado que ocorre entre duas ou mais coletividades ou entre países.

Desde que o homem surgiu neste planeta, a guerra (ou as guerras) foram uma forma violenta de resolver desavenças. Umas mais cruéis do que outras, umas devidas a necessidades de expansão territorial, outras a carências de bens, outras ainda movidas por ambições pessoais — todas elas, sem exceção, deixaram atrás de si um rasto de sangue, feridas que levaram muito tempo a sarar, ódios que ficaram para sempre. É só consultar a História e ler lá o que se diz a respeito do assunto: milhões e milhões de mortes, que não bastaram para melhorar o mundo…

 

IRDEA

 

publicado por olhoatento às 21:45
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Mudança de local

. Morte do Autor

. JESUS RESSUSCITOU!!!

. Sobre alguns dias do dia ...

. O planeta que habitamos (...

. Sobre alguns dias do dia ...

. Em versos me revelo (74)

. Sobre alguns dias do dia ...

. Apresentação de «Como Jog...

. Da Angola que permanece n...

. Reeditando (73)

. Sobre alguns dias do dia ...

. Melhor a imagem do que a ...

. O planeta que habitamos (...

. Convite para lançamento d...

. Sobre alguns dias do dia ...

. Em versos me revelo (73)

. Sobre alguns dias do dia ...

. Da Angola que permanece n...

. Sobre alguns dias do dia ...

. Reeditando (72)

. Melhor a imagem do que a ...

. Sobre alguns dias do dia ...

. O planeta que habitamos (...

. Sobre alguns dias do dia ...

. Em versos me revelo (72)

. Da Angola que permanece n...

. Reeditando (71)

. Melhor a imagem do que a ...

. Especulações vocabulares ...

.entradas no blog

Free track counters
Lovely Counter

.posts visitados

Free track counters
Lovely Counter

.meteorologia

.favorito

. Especulações vocabulares ...

. Melhor a imagem do que a ...

. Da Angola que permanece n...

. No momento da morte de Ne...

. Reeditando (6)

. A preto e branco (5)

. Em versos me revelo (5)

.tags

. evocação

. ficção

. poesia

. recordações de angola

. temas em análise

. todas as tags

.arquivos